Usando IoT para nos proteger em um mundo cada vez mais conectado

O que há de diferente neste fim de semana? Eu vou ficar em casa! Indo ao supermercado, gostaria de saber se existe uma pessoa que já está infectada com o coronavírus. Qual é a probabilidade de uma das cinquenta pessoas lá dentro ser exposta a outra pessoa que deu positivo? Talvez até sem saber.

Como engenheiro, quero saber “qual é o meu risco?” Outros países já limitam o acesso a supermercados para quatro pessoas ou mesmo uma pessoa por vez. Inimaginável para nós no Brasil agora, mas chegará a esse ponto? Como consumidor, me preocupo principalmente com minha própria saúde e com a liberdade que estou acostumado a ir a qualquer loja, quase a qualquer hora do dia, e comprando o que eu preciso.

Depois, há os trabalhadores e proprietário do varejo que podem ficar expostos para nos atender. Muitos deles enfrentarão não apenas perdas significativas de receita, mas também o risco de perder seus negócios e meios de subsistência. Tanta coisa em jogo! Enquanto algumas lojas ficam abertas, como supermercados e farmácias, outras estão fechadas.

As lojas de varejo na Itália e na Espanha enfrentam exatamente esse desafio. Como consequência, os trabalhadores estão perdendo seus empregos, aposentam suas economias e assim por diante.

Em tempos difíceis como este, todos nós devemos contribuir para resolver o problema. Começa com as seguintes instruções dadas pelo MS, mas também significa que devemos pensar em como cada um de nós pode trazer seus conhecimentos e habilidades. Nesse sentido, estou compartilhando meus pensamentos pessoais:

A humanidade fez tremendos avanços na ciência e na tecnologia nos últimos anos. Por mim, vi as tecnologias de nuvem e sensor melhorarem significativamente nos últimos dois anos. Nos telefones móveis, podemos usar aplicativos que servem para uma variedade de funções. Tecnologias de sensores como Bluetooth e Identificação por radiofrequência (RFID) podem se identificar sem fio, sem tocar no leitor. Nenhum aperto de mão físico é necessário.

 Como podemos usar essas tecnologias da SmartX Brasil para combater esse vírus? Existem algumas medidas simples que nós, como sociedade, podemos tomar. Verifique em cada entrada de uma loja qual é o status de saúde de uma pessoa. Parece radical, mas uma verificação rápida em um banco de dados central que armazena os testes de coronavírus nos faria um tremendo bem. Um resultado de “Sim, essa pessoa foi testada pela última vez x dias atrás e foi negativo” deixaria você entrar, e mais importante: daria a você e a todos os demais na loja um nível de confiança para comprar com um risco muito menor. Eles não ficariam em casa. Se o resultado for “Não, essa pessoa foi testada pela última vez há dias e foi positiva”, essa pessoa não deve estar em uma loja, mas deve ficar em quarentena até que os testes sejam negativos. Isso não é senso comum? Eu também quero manter um registro de quem está na loja comigo ao mesmo tempo. Por quê? Se um deles (até eu) for testado positivo nos próximos dias ou semanas, todos os outros que entraram em contato devem ser notificados automaticamente quando e onde estiveram nas proximidades daquela pessoa que é positiva. Uma pessoa com resultado positivo precisaria usar serviços de compras on-line até ser liberada. Mais uma vez, senso comum.

 De uma perspectiva tecnológica, essa implementação pode ocorrer rapidamente. É relativamente fácil. Colocando leitores BLE-RFID no local das lojas (até apenas um leitor por loja pode atender as coletas de dados) – ou smartphone com nosso aplicativo, conecte-os no nosso banco de dados SmartX HUB na nuvem (já existe software, não é necessária nenhuma nova linha de código) e armazene IDs de etiquetas (crachás ou braceletes com Ble-RFID) e o telefone celular de um consumidor número no banco de dados. Dê aos administradores de assistência médica uma maneira de registrar os resultados dos testes através de uma tela simples, carga de excel ou interfaces de sistemas chamadas de APIs. Os consumidores só precisam usar a funcionalidade existente do telefone para se registrar e verificar se têm permissão para entrar na loja. Com os componentes adequados, já existentes, o nosso sistema SmartX HUB pode ser instalado dentro de algumas semanas. Podemos desacelerar e gerenciar a pandemia e recuperar nossas vidas.

Embora a tecnologia ofereça essas soluções, queremos realmente permitir que as autoridades nos acompanhem e nos observem tão de perto? Onde esses dados podem acabar? Governos ou empresas privadas podem até querer vender nossos dados. Quais estruturas de governança são necessárias para restringir o uso de dados a um escopo com o qual o indivíduo concorda? Essas são questões importantes que precisam ser abordadas.

Os países europeus estão fechando cada vez mais fronteiras. Eu nunca pensei que isso poderia acontecer. A Espanha está fechando muitas lojas, eu nunca pensei que isso seria possível há alguns dias. O impacto na economia será enorme, devastador. O 11 de setembro e a crise financeira de 2008 podem ser apenas uma pequena nota de rodapé nos livros de história, em comparação com o que enfrentaremos em breve. Pessoas e empresas terão que se adaptar de uma maneira que nunca tiveram antes. Mais rápido e radicalmente do que imaginávamos.

 Este é um desastre natural que se desenrola em câmera lenta, nos próximos meses, talvez até ano (s). Vamos encontrar soluções para esses novos desafios, adaptar-se da maneira que queremos e recuperar o controle sobre nossas vidas.